“Continuo buscando, re-procurando. Ensino porque busco, porque indaguei, porque indago e me indago. Pesquiso para conhecer o que ainda não conheço e comunicar e anunciar a novidade”.

Paulo Freire


domingo, 2 de outubro de 2016

Mudanças no Ensino Médio? E as dificuldades do Ensino Fundamental?

     Intervenções Pedagógicas



 CRIANÇAS COM DIFICULDADES DE APRENDIZAGEM


           A psicopedagogia tem como objetivo o aluno, vivenciando o seu processo de aprendizagem e concentra as explicações para os obstáculos á aprendizagem em diferentes domínios – orgânico, cognitivo, afetivo e social – e a interatividade que este aluno tem com o meio ambiente, principalmente o escolar, e pedagógico. E esse contexto é ponto de partida para o processo de investigação.


             Crianças com dificuldades de aprendizagem escolar, encaminhadas pelos professores, com queixas de:


_ desatenção, alheamento, apatia, desinteresse, agressividade, inadaptação á turma e/ou á escola, repetência..., em que os resultados se resumem em dificuldades de aprendizagem e fracasso escolar, receberão as intervenções da Equipe de Apoio Pedagógico, para que seja possibilitado á esses alunos oportunidades de obterem algum sucesso.


            Depois de feitos os encaminhamentos á Clinica Médica, os exames adequados, com resultados negativos para problemas da área orgânica, que sozinhos pudessem justificar fracasso escolar; entrevista com a família para levantar a história de vida do aluno, e constatado situações de conflito emocionais tais como: separação dos pais, novo casamento, chegada de outro bebê, negligência, abuso físico, e/ou psicológico, morte de pessoa querida, entre outros, resultando em baixo rendimento escolar e diminuição da auto estima.


          Uma entrevista inicial com a criança é necessária, num clima de acolhimento para que possa criar vínculos afetivos e positivos entre a equipe e o aluno, preparando caminho para as diversas intervenções, (Oficinas Pedagógicas, para obtenção de dados cognitivos juntamente com os emocionais), inclusive o diagnóstico psicopedagógico, com os testes de inteligência.


          Estas crianças encaminhadas á Equipe de Apoio á Aprendizagem são provenientes de camadas de média- baixa e baixa renda, da periferia da cidade, com vivências culturais diferenciadas, de famílias, em sua grande maioria, desestruturadas, apresentando questões físicas e psicológicas.


            Além destas questões sócio-afetivos, o contexto dessas crianças conduz facilmente ao fracasso escolar pela interatividade de seus elementos a próprio sistema educacional que não visa o fator de desenvolvimento sócio cultural desfavoráveis ás estas crianças propensas ao fracasso escolar nas primeiras séries, de onde surge uma das vertentes da evasão escolar.


          Portanto diante deste quadro próprio da clientela das escolas públicas da periferia das cidades satélites de Brasília, as primeiras intervenções pedagógicas estarão voltadas ao trabalho com a psicomotricidade, oficinas pedagógicas de auto estima paralelos aos projetos interventivos do professor, buscando reformular os modelos de aprendizagem usados, até então.  


          A busca da Equipe de Apoio á Aprendizagem, “ representa, muitas vezes , a última esperança de uma ajuda efetiva”.Weiss.
          É preciso primeiro rever a questão da evasão, quando o aluno, mal consegue sair do Ensino Fundamental. A solução quase sempre está na base.

neste link há várias sugestões de pojetos interventivos:
http://soatividadesparasaladeaula.blogspot.com.br/






















Nenhum comentário:

Postar um comentário

. Não seja apenas um visitante. Deixe seu comentário. Este é um espaço de intercâmbio de conhecimentos Entre educadores, e não apenas de divulgação de informações e conteúdos PARA educadores