“Continuo buscando, re-procurando. Ensino porque busco, porque indaguei, porque indago e me indago. Pesquiso para conhecer o que ainda não conheço e comunicar e anunciar a novidade”.

Paulo Freire


domingo, 2 de outubro de 2016

Estamos em Outubro e meu Aluno não Conseguiu Acompanhar a Turma...




“Só Ensina quem Aprende” e “Todos Podem Aprender”
Um semestre se passou do ano letivo e alguns alunos não acompanharam, não avançaram e o professor entristecido começa a fazer cálculos mentais sobre o resultado de seu trabalho. Parece prematuro? Não. Pois o professor que conhece seus alunos, e se preocupou com alguns, usando diferenciadas abordagens pedagógicas e percebe que o ganho pedagógico não foi suficiente já tem uma previsão de resultados.
Alunos que podem ter um grau de dificuldade de aprendizagem, um ritmo mais lento ou que tenha chegado à sua sala sem ter adquirido os conteúdos da série anterior, e até mesmo alunos que evidenciam uma defasagem, sem apresentar transtornos de aprendizagem.
A pedagogia moderna sugere que os alunos com dificuldades de aprendizagem devem ser encaminhados ás Equipes de Apoio á Aprendizagem, a fim de serem submetidos á investigação de uma suspeita NEEs.g3
Porém, novas maneiras de ensinar, dentro de outros recursos como projetos interventivos, trabalhos em grupo, reforço (retomando os conteúdos anteriores não adquiridos), trabalho de autoestima... é o que vai dar um norte, como sinaliza Esther Pillar Grossi (Geempa)
“nas séries iniciais é comum e normalíssimo encontrar crianças com dificuldades de aprendizagem... (...) os alunos precisam acreditar que o educador gosta de ensinar e, mais do que isso, saber que ele está cumprindo sua função. A ação do professor é que vai fazer a diferença.”
O GEEMPA envolve um grupo de estudos e pesquisas – pós-construtivista
- veicula em suas ações: "só ensina quem aprende" e "todos podem aprender". sua presidente, a professora Doutora Esther Pillar Grossi, e a experiência de mais de 20 anos de pesquisa, acumulada na área de formação de professores e das aprendizagens de crianças, jovens e adultos, dentro e fora das redes formais de ensino, em classes laboratórios e fora delas, e em diferentes áreas de conhecimento (Matemática, Português, História, Artes e Geografia), apontava para o fato de que o fracasso e a evasão escolares, principalmente em segmentos populares, não são decorrentes da prática da avaliação escolar, mas devem-se à ausência de proposta pedagógicas que levem em conta os esquemas de pensamento dos alunos. Isto é, o professor precisa considerar, na sua prática didático-pedagógica, o processo de aprender dos seus alunos, segundo as diferentes áreas do conhecimento a que se dedica.
O GEEMPA e a CORREÇÃO DE FLUXO – é que falta ao professor em situações de ensino/aprendizagem difíceis.
g1
O que vem a ser Programa de Correção de Fluxo Escolar
O programa de correção de fluxo escolar do Geempa visa reintegrar alunos nos níveis de aprendizagem que lhes correspondem no sistema escolar. A tecnologia do Geempa implica em uma renovação metodológica profunda. Ela trabalha com um novo paradigma e requer atualização de parte dos professores, sobre os quais recai a principal responsabilidade do êxito do programa.
Segundo a Dra. Esther Pillar Grossi, Coordenadora geral do Programa Geempa de Correção de Fluxo Escolar, "não se ensina explicando, se ensina instigando os alunos com desafios para que eles se façam perguntas. Só se aprende se há alguma falta a preencher. A competência para produzir esta falta tornou-se a base da ação docente...”.
Para se obter sucesso os resultados da tecnologia geempiana de alfabetização indiscutivelmente o centro é o professor, tendo por meta a qualidade da educação que promove em sala de aula, da organização do seu trabalho no campo da didática da alfabetização e da matemática nas séries iniciais do ensino fundamental assim como da pertinência de técnicas, aparatos e ferramentas empregadas como procedimentos de ensino-aprendizagem, de alunos das escolas publica do país.
g2 Uma das atividades usadas na Correção de Fluxo
Para aqueles que desejam obter maiores informações( vale a pena conhecer o GEEMPA – temos professores na nossa escola que tem obtido sucesso onde tudo parecia perdido) sobre o programa e a proposta do GEEMPA, sugiro que entre no site: http://www.geempa.org.br/index2.html
Por Julia Virginia de Moura – Pedagoa
Fonte:
GEEMPA
http://www.geempa.org.br/html/instituicao/quem_somos/historico.htm
* Consultoria Esther Pillar Grossi, professora e fundadora do Grupo de Estudos sobre Educação, Metodologia de Pesquisa e Ação (Geempa).
*Revista Nova Escola –www.nv.org.br

Nenhum comentário:

Postar um comentário

. Não seja apenas um visitante. Deixe seu comentário. Este é um espaço de intercâmbio de conhecimentos Entre educadores, e não apenas de divulgação de informações e conteúdos PARA educadores