“Continuo buscando, re-procurando. Ensino porque busco, porque indaguei, porque indago e me indago. Pesquiso para conhecer o que ainda não conheço e comunicar e anunciar a novidade”.

Paulo Freire


terça-feira, 29 de janeiro de 2013

Planeje os conteúdos : descubra o que seus alunos já aprenderam–Avaliação Inicial

 

aiNo início do ano letivo quase sempre o professor não sabe qual turma vai receber. Mesmo que seja a mesma turma do ano passado, ou a mesma série/ano de sua preferência, nunca será “a mesma turma. Houve uma caminhada na aquisição de conhecimentos e experiências.

Pensando nisso veja sugestões para o "iniciar” com uma turma, seja no início do ano letivo, seja em qualquer momento em que se recebe uma turma,  na substituição da   professora, por exemplo,
já com o trabalho pedagógico em andamento, o que é bastante comum no trabalhos dos professores com contrato temporário..

Assim sendo fizemos um resumo, e ficam “dicas” para um novo começo ou recomeço.

Em Sala de Aula

Teste _ Estilos de Aprendizagem–Início do Ano–conheça seus alunos!

Faça o teste e conheça o Estilo de Aprendizagem – predominante de seu aluno – Visual? Auditivo, Cinestésico? organize sua turma e saiba como suas aulas terão mais sucesso!

Veja no blog Só Atividades Para Sala de Aula – clicando > Aqui

terça-feira, 22 de janeiro de 2013

Atividade para Inicio de Ano Letivo - Conheça seus alunos - “Como Meu Aluno Aprende?”

Saber “como o aluno aprende” – facilita o trabalho do professor e se obtém melhores resultados.

Há três Estilos de Aprendizagem:

1 -alunos visuais – 2-  auditivos – 3- cinestésicos

Veja nesta nesta postagem as características de cada Estilo de Aprendizagem ( os conceitos estão na postagem anterior – clicar > Aqui, para ler).

-Características das pessoas que aprendem de acordo com o Estilo Visual:

1- Alunos Visuais:

• Falam Rápido

• Nota-se um cuidado com higiene e organização.

• Frequentemente respondem às perguntas com um simples sim ou não.

• Gostam de fazer rabiscos ou caricaturas enquanto o professor está dando uma aula expositiva.

• Observam os detalhes do ambiente.

• Procuram ler com tanta rapidez que cometem pequenos erros, omitem palavras, se perdem na sequencia, demonstrando desinteresse ou pressa de terminar logo.

segunda-feira, 21 de janeiro de 2013

Atividade Inicial: Alunos Visuais, Auditivos e Cinestésicos – Conheça e organize seus Alunos e Minimize as Dificuldades de Aprendizagem

 
va
Saber “como o aluno aprende” – facilita o trabalho do professor e se obtém melhores resultados.
Há três Estilos de Aprendizagem
1. APRENDIZAGEM VISUAL (imagem)
O Estilo Visual determina que o indivíduo, o seu aluno, necessita, para interpretar o mundo, processar o conhecimento, da imagem. Isso significa que as informações obtidas do meio ambiente ou de sua mente estão voltadas para dados sobre tamanho, proporção, cor, beleza, altura, profundidade, largura, detalhes... Uma pessoa visual é muito observadora no conjunto e nos detalhes. E é dessa forma que armazena as descobertas e relaciona conhecimentos adquiridos anteriormente com novos conhecimentos.
2. APRENDIZAGEM AUDITIVA (som e música)
Auditivo = é a forma sonora a mais predominante, mesmo que haja imagens. O auditivo consegue perceber com maior nitidez e facilidade dados vinculados ao som: volume, tonalidade, vocabulário, ruídos, discursos, conversas, discussões. Uma pessoa auditiva presta muita atenção naquilo que está sendo dito. Se o professor faz apresentação de um tema dos conteúdos usando recursos auditivos o aluno que tem este estilo de aprendizagem vai se concentrar e processar sua aprendizagem.
2-ESTILO DE APRENDIZAGEM CINESTÉSICA ou TÁTIL (movimento, leitura e tato).

quarta-feira, 16 de janeiro de 2013

O Ensino Fundamental até o 5º Ano não será mais Seriado–Educação DF

Reformulação ainda provoca controvérsia
Isa Stacciarini
Comunidade fica resistente à mudança por não ter havido debates
O ano letivo das escolas da rede pública de ensino do Distrito Federal inicia com um desafio que não é novo, mas que tem gerado resistência por parte de especialistas, alunos e pais: a política educacional de ciclos de aprendizagem.
O ensino fundamental até o 5º ano não será mais seriado. E o o sistema convencional passará por uma reformulação em que professores e alunos terão de se readaptar. Há oito anos, os dois primeiros ciclos já fazem parte da rotina de todas as escolas públicas. A proposta da Secretaria de Educação (SEDF) é ampliar a forma que vem sendo implementada desde 2005.
Atualmente, a educação infantil e parte do Ensino Fundamental I já são divididos em ciclos. O primeiro se refere às crianças de 0 a três anos de idade, e aos pequenos estudantes com faixa etária de quatro e cinco anos, inseridos no Jardim de Infância.
Já o primeiro bloco do segundo ciclo, denominado de Bloco Inicial de Alfabetização (BIA) - Bloco I - , engloba alunos do 1º ao 3º ano, que também já funciona nessa mesma subdivisão.
NOVA PROPOSTA
A proposta da SEDF, que já entra em vigor a partir do primeiro dia letivo em cinco unidades regionais de ensino, é implementar um outro bloco, denominado II, no segundo ciclo que vai abranger o 4º e 5º ano do Ensino Fundamental I e permanecer, até 2014, com a seriação do 6º ao 9º ano do Ensino Fundamental II, que a partir do próximo ano daria inicio ao terceiro ciclo. Aproximadamente 70 escolas de Santa Maria, São Sebastião, Recanto das Emas, Núcleo Bandeirante e Guará serão as primeiras a experimentar o sistema.
No momento, cerca de 35 mil alunos das cinco regionais serão inseridos no sistema educacional por meio de ciclos.
No momento da avaliação de ano, os alunos do segundo ciclo não serão reprovados. Ao fim do primeiro bloco, para que o estudante possa prosseguir para o bloco II, ele será submetido a uma prova que irá avaliar o aprendizado do educando durante o período. Caso a avaliação seja insuficiente, o aluno fica retido no BIA e continua a alfabetização até alcançar a aprendizagem. Essa fase pode durar um bimestre, seis meses ou um ano. Após esse tempo, o estudante tem autorização para a sequência do ensino no bloco II, mesmo que o ano letivo já tenha sido reiniciado. Do 6º ao 9º ano, a reprovação pode ser retomada por série.
35 MIL alunos do DF já serão inseridos na nova proposta
MEMÓRIA
Mudança polêmica
» Em 2 de janeiro, o Jornal de Brasília antecipou a mudança no sistema público de ensino. Na ocasião, a Secretaria de Educação preferiu não prestar esclarecimentos e explicar melhor como funcionaria a proposta, mas o Sindicato dos Professores (Sinpro) forneceu alguns detalhes.
» Na época, especialistas em educação, professores, pais e alunos demonstraram preocupação com a medida .
» Em discussão com o governo, o Sinpro se posicionou contrário à entrada imediata em vigor da proposta em 2013 por acreditar que não foram dadas as condições para que as escolas e o corpo docente se preparem para as mudanças. A entidade argumentou que as escolas não estão preparadas para receber o modelo. Seria preciso haver uma transformação estrutural prévia .
"Foco é o aprendizado"
O secretário de educação, Denilson Bento da Costa, defende a reformulação e diz que o foco da política educacional é a aprendizagem dos alunos e, consequentemente, a redução do índice de repetência. Segundo ele

domingo, 13 de janeiro de 2013

Avaliação Pedagógica das Aquisições Cognitivas e Desenvolvimento – Dificuldades de Aprendizagem – SEAA

avl

Nesta última postagem sobre formatação do corpo de texto de um Relatório de Avaliação Pedagógica – Equipe Multidisciplinar, após a anamnese  e a informações relevantes da família (veja um modelo pronto de anamnese)vamos considerar a avaliação das habilidades e competências do aluno no seu desenvolvimento global e desempenho escolar tendo em vista a relação idade e série/ano em curso.

Aspectos a serem observados e avaliados, na sala de aula (em grupo), individualmente na sala da Equipe e em outros ambientes da escola: sala de leitura, sala de artes, laboratório de informática, recreação:

· Atenção e concentração,

.esquema corporal,

· a estruturação espaço-temporal,

· lateralidade,

· orientação espacial através de análise e síntese visual e auditiva,

· coordenação visomotora,

. equilíbrio,

· desenvolvimento intelectual

· afetivo-social,

· Conceitos básicos de psicomotricidade: em cima /embaixo, dentro/fora, perto/longe, atrás/na frente, cores primárias e secundárias, formas geométricas,

· leitura e a interpretação, a produção de textos, análise linguística e sistematização para o domínio do código, (teste da psicogenética da escrita),

· Linguagem oral (constituição da fala: troca, omissão ou não de fonemas),

· do raciocínio lógico, de acordo com a proposta pedagógica.

avl2Estes itens, á serem avaliados devem estar de acordo com a idade, série e desenvolvimento do aluno. Caso haja uma suspeita de um transtorno, síndrome ou déficit cognitivo, partindo destes itens a avaliação vai estar numa escala mais primária, como por exemplo: ao invés da produção de texto, somente o teste da psicogênese, desenhos, interpretação do próprio desenho, de gravuras; no raciocínio lógico: seriação, classificação, quantificação, relação números e quantidades, raciocínio lógico (através de gravuras) noção de adição e subtração... etc.

Finalizando o relatório: Conclusão e Solicitações (orientações ao professor/família e encaminhamentos, caso seja necessário, aos profissionais da saúde: psicólogo, fonoaudiólogo, oftalmologista, neurologista. (esta avaliação formatada em texto, no blog Só atividades para Sala de Aula, seguindo a sequência da formatação)

Em Teste da Psicogenética da Escrita conheça a Teoria para usar na Prática clicando > aqui e sugestões de aplicação do teste de forma significativa > aqui.

Há uma postagem anterior com sugestões de materiais que podem ser usados para esta avaliação.

O texto completo você pode ver no blog:

Só Atividades Para Sala de Aula

Por: Júlia Virginia de Moura - Pedagoga

quinta-feira, 10 de janeiro de 2013

Anamnese–principais aspectos investigativos–Avaliação Psicopedagógico

deseNa Anamnese quando são abordados os principais aspectos da história de vida do aluno com queixas de dificuldades de aprendizagem direcionam em média de 70% á hipótese diagnóstica. Vejam os principais aspectos:
Queixa Principal
A queixa principal é o motivo do encaminhamento à Equipe Disciplinar, pela escola, pela família ou pelo médico. Deve ser clara e conter a informação completa, sem ser extensa. Exemplo: Dificuldades de aprendizagem na leitura e escrita, falta de atenção, concentração e baixo rendimento escolar. É um bom começo que deve ser esclarecido (caso seja feita pela escola, qual o conhecimento que a família tem sobre a queixa).
História da Vida Escolar

Anamnese – Importância na Investigação de Dificuldades de Aprendizagem

 

anaQuando um aluno é encaminhado à Equipe Multidisciplinar com queixas de dificuldades de aprendizagem e comportamento, a anamnese é o procedimento fundamental no processo de investigação, pois a quantidade de informações, principalmente quando são dadas pela mãe, que se pode obter direciona em torno de 80% as hipóteses diagnósticas, sejam psicopedagógicos quanto neurológicas.

Anamnese trata-se de uma entrevista com a família. Pela mãe preferencialmente, familiarizares próximos ou cuidadores. Deverá ser a pessoa que detém as informações que contenha fatos principais da história de vida do aluno desde sua concepção no contexto familiar. Em termos médicos a anamnese feita pelo profissional de saúde é sinônimo de história clínica.

Como já foi assinalado no artigo sobre relatório de avaliação pedagógica, o vínculo afetivo, do avaliador com a criança, é muito importante, e da mesma forma com a família

sábado, 5 de janeiro de 2013

Avaliação Pedagógica: hipótese diagnóstica–Equipe Multidisciplinar- SEAA

 

clip_image001  Alunos com queixas de dificuldades de aprendizagem e/ou comportamento são encaminhados á Equipe Multidisciplinar. Todos os aspectos que, o pedagogo ou psicopedagogo, vão ser  observados e avaliados visam obter uma hipótese diagnóstica de dificuldades naturais, evolutivas e transitórias. Em situações mais acentuadas o relatório da avaliação é encaminhado a uma investigação mais específica que deverá passar por vários outros profissionais, inclusive da saúde.

       No processo avaliativo há fatores primordiais que direcionam ao diagnóstico. Sabe-se que há um consenso sobre a importância da anamnese que direciona grande parte de um diagnóstico, tanto pedagógico quanto médico, de uma criança em situações de dificuldades de aprendizagem. Veja sobre anamnese