“Continuo buscando, re-procurando. Ensino porque busco, porque indaguei, porque indago e me indago. Pesquiso para conhecer o que ainda não conheço e comunicar e anunciar a novidade”.

Paulo Freire


sábado, 24 de novembro de 2012

Redação não é “Bicho de Sete Cabeças”–vestibulares e concursos


clip_image001Quando se fala em redação o aluno, ou o candidato a concursos, fica muito preocupado não porque escrever seja um grande problema, mas escrever para um especialista corrigir e desta correção depender uma aprovação ou reprovação é que acaba por inibir as capacidades da pessoa.
A mesma pessoa que é capaz de dissertar oralmente sobre fatos ou acontecimentos de que tem conhecimento e escrever tudo o que falou, de acordo com seu nível acadêmico fará uma produção textual numa apreciação na escala de 1 a 5, estará na média acima de 2,5. Porém se esta produção textual estiver dentro de um processo, para o aluno de suma importância, com caráter eliminatório e/ou primordial para ser aprovado e bem classificado em um vestibular ou concurso, estes fatores deixam o concorrente extremamente preocupado com a estruturação do texto, que poderá deixá-lo confuso, em dúvidas quanto aos vários aspectos textuais, vocabulário, ortografia, pontuação e etc., o que poderá afetar o seu desempenho ao escrever.
De onde se conclui que dentre todas as condições de se escrever bem e de forma correta é necessário, primeiro, que se conheça o assunto que será explorado. Mesmo que seja a partir de uma notícia de jornal, um documentário ou uma imagem, temas propostos, fatos presenciados ou dos quais houve participação de quem escreve, pois é clip_image002a partir de tais dados que o texto será produzido.
Em qualquer um dos tipos de textos (narrativo, dissertativo, descritivo), estar bem informado a respeito do tema, familiarizado com fontes de informação, sejam, elas, revistas, jornais (tanto impressos quanto orais) e livros em geral, veiculação na mídia, opiniões de especialista que podem ajudar na construção do senso crítico, por exemplo, vai ser muito importante no momento de colocar as ideias no papel.
O resultado desse processo de produção retratará a maneira de interpretar as fontes, a visão de mundo e experiências vividas.
O que torna mais fácil transmitir o que foi solicitado ou escolhido.
Essas informações preliminares são básicas para que haja uma tranquilidade e segurança, fatores que aliados aos conhecimentos dos tipos de textos e suas características próprias de construção garantem o sucesso de uma boa redação.
Vamos falar dos tipos de textos e como se caracterizam e depois especificar cada um.
Tipos de Textos
  1. Texto narrativo;
Texto narrativo é aquele que envolve personagens desenvolvendo ações ao longo do tempo.
  • Um narrador (que pode ser personagem, observador ou onisciente), espaço, tempo, enredo.
  • Situação inicial: Os personagens e o espaço são apresentados.
  • Estabelecimento de um conflito: Um acontecimento modifica a situação apresentada e desencadeia uma nova situação a ser resolvida, que quebra a estabilidade de personagens e acontecimentos.
  • Clímax: Ponto de maior tensão na narrativa.
  • Epílogo: Solução do conflito, o que nem sempre significa um final feliz.
    Dentre os personagens, haverá um ou mais protagonistas, onde estará centrada a trama e onde circundam os demais personagens, geralmente havendo também os antagonistas, em contrariedade aos protagonistas.
    São chamados de coadjuvantes aqueles que não se enquadram como protagonistas ou antagonistas, embora sua existência seja propícia para o desenvolvimento dos fatos que envolvem um texto narrativo.
    E, falando em narrativa, é ela quem vai apresentar e desenvolver os personagens e fatos no tempo e espaço em que se situa o enredo. Entre os tipos de textos narrativos estão, por exemplo, o romance, a crônica, o conto, a fábula, a parábola.
Romance: É uma narrativa sobre um acontecimento ficcional no qual são representados aspectos da vida pessoal, familiar ou social de uma ou várias personagens. Gira em torno de vários conflitos, sendo um principal e os demais secundários, formando assim o enredo.
Novela: Assim como o romance, a novela comporta vários personagens, sendo que o desenrolar do enredo acontece numa sequência temporal bem marcada. Atualmente, a novela televisiva tem o objetivo de nos entreter, bem como de nos seduzir com o desenrolar dos acontecimentos, pois a maioria foca assuntos relacionados à vida cotidiana.
  • clip_image003
    Conto: É uma narrativa mais curta, densa, com poucos personagens, e apresenta um só conflito, sendo que o espaço e o tempo também são reduzidos.
    Crônica: Também fazendo parte do gênero literário, a crônica é um texto mais informal que trabalha aspectos da vida cotidiana, muitas vezes num tom muito “sutil”, bem humorado, o cronista faz uma espécie de denúncia contra os problemas sociais através do poder da linguagem.
    Fábula: Geralmente composta por personagens representados na figura de animais, é de caráter pedagógico, pois transmite noções de cunho moral e ético. Quando são representadas por personagens
    clip_image004inanimados, recebe o nome de Apólogo, mas a intenção é a mesma da fábula.



  • NARRADOR – 1ª ou 3ª pessoa
  • A narração pode ser feita em primeira pessoa, o narrador participa dos acontecimentos; é, assim, um personagem com dupla função: o personagem-narrador. Pode ter uma participação secundária nos acontecimentos, destacando, desse modo, seu papel de narrador, ou ter importância fundamental, sendo mesmo o personagem principal.
  • Narrações em terceira pessoa, o narrador está fora dos acontecimentos; Essa situação lhe permite saber de tudo, do passado e do futuro, das emoções e dos pensamentos dos personagens - daí ser chamado de onisciente (oni + sciente, ou seja, "o que tem ciência de tudo", "o que sabe de tudo"). Repare que o narrador onisciente "lê" os sentimentos, os desejos mais íntimos da personagem (aliás, o narrador vê o que ninguém tem condições de ver: o mundo interior do personagem), e sabe qual será a repercussão desse ato no futuro.
  • ANTES DE PASSARMOS AO 2º TIPO DE TEXTO: DISSERTATIVO – VEJA EXEMPLOS DE TEXTOS NARRATIVOS NO BLOG:

  • 2- Textos Dissertativos;
    3- Textos Descritivos;
    Por: Júlia Virginia de Moura – Pedagoga
    Fonte de pesquisa:
    Manual de Técnicas de Redação – José Carlos Dutra do Carmo




    Nenhum comentário:

    Postar um comentário

    . Não seja apenas um visitante. Deixe seu comentário. Este é um espaço de intercâmbio de conhecimentos Entre educadores, e não apenas de divulgação de informações e conteúdos PARA educadores