“Continuo buscando, re-procurando. Ensino porque busco, porque indaguei, porque indago e me indago. Pesquiso para conhecer o que ainda não conheço e comunicar e anunciar a novidade”.

Paulo Freire


domingo, 30 de setembro de 2012

Imitações, brincadeiras ou descobertas? sexualidade na escola – abordagem através de Varal de Histórias

DSC03719 

“A primeira escola da criança é o seu lar e a primeira professora é sua mãe, onde começam a serem construídas as bases da educação, em todos os seus aspectos, em um período em que seu desenvolvimento é maior e mais rápido. Quando, então, ela recebe a primeira oportunidade de moldar seu caráter para o bem ou para o mal”. Ellen G. White (2010, p.275)

“... _ professora! ( grita “A” (6 anos), tapando a boca com a mão, olhos arregalados) o “E” (também 6 anos) quer me beijar na boca”...”.

A professora do 1º ano, turma de alunos de 6 anos, séries iniciais, assustada, procura a Equipe Multidisciplinar (SEAA), porque não sabe como abordar a questão com sua turma, e sabe que não pode deixar passar em branco, como se nada estivesse acontecendo em sua sala, e em outros espaços da escola, com seus alunos.

Desta solicitação da professora surge um projeto de orientação sexual para turmas de 1º Ano e Educação Inclusiva, através de um Varal de Histórias: “A Princesa Yasmin viaja pelo Mundo Moderno” em que os alunos vão identificar os papeis sociais dos indivíduos em suas várias fases de vida, com o foco enfatizando - crianças versus adultos;

 

DSC03651

DSC03714

 

Explorando o varal de histórias - Tema transversal: sexualidade e senso crítico , também os conteúdos:

· Ciências/ Psicomotricidade: partes do corpo, domínio do esquema corporal.

· Língua Portuguesa: escrita e leitura - teste da psicogênese, avanço nas hipóteses, palavras (ortografia), frases e produção de texto coletivo;

· Raciocínio lógico – situação problemas e cálculo – operações de adição e subtração simples (com e sem registro de acordo com o nível de cada aluno);DSC03695

Expressão Artística – representação da trajetória de aprendizagem

Para que este projeto fosse estruturado foram consideradas questões importantíssimas para que a abordagem alcançasse os seus objetivos: redirecionar comportamentos inadequados em relação à sexualidade precoce, e/ou reprodução de comportamentos aprendidos.

1. O comportamento do aluno configura manifestação de sexualidade precoce, descobertas ou apenas imitação, brincadeira?

2. Toda a turma foi envolvida neste episódio? A grande maioria já está manifestando comportamentos precoces de sexualidade/ou imitações e brincadeiras?

3. Qual a melhor abordagem: individual direta ou coletiva indireta?

4. Como abordar manifestações precoces de sexualidade sem leva-las às proporções maiores que o necessário?

5. Quando a participação da família será necessária nesta intervenção?

Além das bases estabelecidas a partir da análise destas questões é necessário entender as vivências que estas crianças estão trazendo para o ambiente social da escola.

São grandes os desafios que a condição social da infância traz, na atual sociedade moderna, de onde os extremos vão, desde o protecionismo exagerado à negligência absoluta, permeados de permissividade mal direcionada, ausência de regras e limites, acesso irrestrito ao uso da mídia onde o apelo sexual e a erotização estão presentes.

A socialização e educação das crianças, baseadas em valores específicos dos grupos familiares agora são delegadas à revelia de diversos seguimentos públicos, onde a diversidade de influências acaba produzindo “crianças- miniaturas–de- adultos”, gerando comportamentos incompatíveis com o desenvolvimento físico, mental e emocional.

Assim as crianças chegam à escola: sinalizando a necessidade de um redirecionamento educativo para o qual os professores não estão preparados, pois as situações de aprendizagem que necessitam estão fora do ambiente da escola, principalmente alunos das séries iniciais, que passam por momentos do desenvolvimento básicos no âmbito familiar.

O SEAA – Equipe Multidisciplinar da escola elaborou um projeto com a duração de 3 aulas e desenvolveu a primeira aula do tema transversal, em que as atividades aplicadas terão continuidade com a professora. Veja o projeto, passo a passo, com todas as atividades pedagógicas no blog SÓ ATIVIDADES PARA A SALA DE AULA, clicando > AQUI.

Por: Júlia Virginia de Moura – Pedagoga

Fonte de Pesquisa:

WHITE, Ellen G. Educação. 9ª ed. São Paulo: Casa Publicadora Brasileira, 2010.

NASCIMENTO, Maria Letícia. Contextos de Educação da Infância: Parceria entre famílias e as instituições de Educação Infantil. http://ww2.prefeitura.sp.gov.br//arquivos/secretarias/educacao/caderno/caderno_tematico_II.doc

Educação moral hoje: cenários, perspectivas e perplexidades

http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0101-73302007000300006&script=sci_arttext

Um comentário:

  1. Oi Julia, td bem ?
    Grata pela visita. Rapidinho passei aqui para conhecer o seu cantinho. Nossa,é muito interessante. Vou recomendar para as minhas amigas professoras. Elas vão gostar.

    Até mais.
    Bjs.
    Maria Cândida

    ResponderExcluir

. Não seja apenas um visitante. Deixe seu comentário. Este é um espaço de intercâmbio de conhecimentos Entre educadores, e não apenas de divulgação de informações e conteúdos PARA educadores