“Continuo buscando, re-procurando. Ensino porque busco, porque indaguei, porque indago e me indago. Pesquiso para conhecer o que ainda não conheço e comunicar e anunciar a novidade”.

Paulo Freire


quarta-feira, 24 de agosto de 2011

Vídeo na escola - Potencialidades para o processo de ensino e aprendizagem

Para que se possa fazer uso de vídeo em sala de aula, antes do planejamento da aula, é preciso analisar o vídeo para que este proporcione o máximo de potencialidades dentro do tema em foco.

O que é mais importante na análise do vídeo?

De uma forma generalizada vamos formar um quadro, que se sabe não preencherá todas as lacunas, uma vez que haverá sempre peculiaridades diversas a serem consideradas, tais como as condições do fazer o pedagógico da própria escola, do professor, como as características da turma em seus mais variados aspectos.

Porém é fundamental guardar esta listagem de questões para análise e avaliação de produtos audiovisuais para uso pedagógico
(que dependem dos seus objetivos):

Programa
O programa é atrativo para os alunos?
Consta como foco principal o tema abordado?
O vídeo foi produzido para fins educativos?
Mensagem:
A visualização do tema é um bom acréscimo?
Há outros enfoques que podem ou devem ser acrescentados?
 Conteúdos Curriculares
 Existem outros enfoques que podem ser interdisciplinados? Quais disciplinas?
Os conteúdos são adequados ao currículo oficial? E ao currículo da escola?
Os conteúdos são adequados ao nível de compreensão dos alunos?
A metodologia utilizada para apresentação dos conteúdos está em consonância com um enfoque escolar
A abordagem do tema é atual ou já existem novos enfoques ou tendências?
O tratamento dado aos conteúdos está atualizado?
Há outros enfoques, tendências, abordagens ou descobertas científicas que precisam ser correlacionadas e colocadas em debates?
O tema e os conteúdos são adequados ao tratamento de temas transversais como sexualidade, ética, meio ambiente, etc.?
A forma de tratar os conteúdos é adequada ao processo de ensino e aprendizagem da escola?  
Com qual profundidade e abrangência?
A quantidade de informação é: insuficiente / superficial; suficiente / adequada; demasiada / complexa?
Que complementos e aprofundamentos são necessários?
Linguagem:
Qual o tipo de linguagem empregada? O que mais é valorizado: imagens ou linguagem verbal?
Valoriza a dimensão emotiva, a imaginação e a sensibilidade?
Comunica idéias por meio das emoções? Quais? Como?
A linguagem verbal é coloquial, regional, formal ou científica? potencial dos alunos?
Será preciso preparar a turma sobre o tema com antecedência? O vocabulário é compreensível á vivência dos alunos?
Enfoques sociais
Quais as práticas sociais podem ser identificadas no vídeo? Há relação com dia a dia dos alunos?
As práticas sociais são enfocadas de forma preconceituosa? Como?
 Personagens
Quais relações interpessoais são destacadas com ou sem preconceitos? (afetividade, parentesco, profissional.)
Ambientes
Se há ambientes externos é do conhecimento dos alunos? Podem ser explorados?
Como são tratadas as questões acerca das atitudes e dos valores sociais?
A QUESTÃO PRINCIPAL QUE MOTIVOU O USO DO VÍDEO
Aproveitamento Pedagógico:
Qual o fundamento principal função do vídeo: informar, motivar, ilustrar, sensibilizar, fixar conteúdos, facilitar a compreensão, aplicar conteúdos em situações variadas, reforçar conteúdos, etc.
O vídeo foi concebido didaticamente? Há conceitos dúbios?
O vídeo possibilita ou suscita a comunicação e um trabalho posterior à exibição?
Provoca à curiosidade, a pesquisa, a discussão, a polêmica
Qual a duração do vídeo? O tempo é importante porque as atividades complementares com a participação do professor são indispensáveis.

Quando se deseja trabalhar partes ou o todo do filme/vídeo
 O professor poderá querer trabalhar o vídeo por partes, de acordo com o tema, o nível da turma, a série, a disciplina para melhor ser aproveitado seria mais bem aproveitado. Os pontos de corte devem ser previamente preparados.
No caso de vídeos didáticos ou científicos que procedimentos são usados?


Na próxima postagem serão mostrados Vídeos que passaram pela análise e avaliação do professor e estão no Planejamento de suas aulas.

REFERÊNCIAS

GADOTTI, M. A escola e a pluralidade dos meios. Revista Escola & Comunicação, Rio de Janeiro, FRM, n.6, 1994.
MORAN, J.M. O vídeo na Sala de Aula. Revista Comunicação e Educação, n.2, Editora Moderna, 1994.
Edição especial da Revista TV Escola, julho de 1998.


Nenhum comentário:

Postar um comentário

. Não seja apenas um visitante. Deixe seu comentário. Este é um espaço de intercâmbio de conhecimentos Entre educadores, e não apenas de divulgação de informações e conteúdos PARA educadores