“Continuo buscando, re-procurando. Ensino porque busco, porque indaguei, porque indago e me indago. Pesquiso para conhecer o que ainda não conheço e comunicar e anunciar a novidade”.

Paulo Freire


domingo, 22 de maio de 2011

Por que o Ensino Médio está perdendo seus alunos?

O Ensino Médio está perdendo seus alunos? 


Pesquisadores em busca de um diagnóstico para as causas da evasão no Ensino Médio, no Brasil, chegaram à conclusão de que o saldo de baixa competência, defasagem idade/série levando os alunos á evasão, é o resultado de vários fatores tais como: condição socioeconômica, nível cultural familiar, gravidez precoce e a defasagem idade/série. 



As estatísticas (Pnad - ) mostram que de cada 100 (cem) alunos que ingressam no Ensino Médio, logo no primeiro ano, uma média de 30 (trinta) alunos abandonarão a escola. Estes alunos, pelos históricos escolares, se agruparam e formam um perfil: a maioria pertence ao sexo masculino; dois ou mais anos de repetência; vindos de famílias com pouca escolaridade, sendo que o fator preponderante que leva á evasão, é o atraso escolar.
 
Sabe-se que a defasagem idade/série resulta da ausência de domínio de conteúdos das séries anteriores á cursada, da mesma forma que a impossibilidade de permanecer no Ensino médio tem sua causa na qualidade do desempenho escolar anterior, o Ensino Fundamental.
No entanto a crise do Ensino Médio não se resume no fato de uma grande porcentagem de alunos ingressarem com uma história de baixo rendimento no Ensino Fundamental, mas, também, está na própria estrutura do Ensino Médio, que de acordo com a expressão usada por Mozart Neves Ramos, Conselheiro Nacional de Educação, “para manter esses alunos, o Ensino Médio  precisa “se reinventar”, como adotar o uso de tecnologia, da informática, recursos áudio visuais...” 

Nestas pesquisas, alunos que abandonaram a escola foram entrevistados e apontaram os mesmos fatores indicadores da evasão e acrescentaram duas razões primordiais para eles, sob o ponto de vista pessoal: a dificuldade de acompanhar as disciplinas e a falta de aulas mais práticas com conteúdos significativos



Os alunos alegam não entender a utilidade do excesso de conteúdos curriculares para suas necessidades cotidianas e, se estes conteúdos são importantes, os professores precisam demonstrar á eles. Sentem a necessidade de disciplinas direcionadas á qualificação profissional e pessoal, com parcerias entre instituições como o SESC, SENAI e empresas; de inovações como laboratórios de ciências, de informática, uso da internet, o uso de recursos áudio visuais, bibliotecas informatizadas, atividades esportivas competitivas, e até mesmo, um auxílio de renda, como já acontece no Ensino Fundamental. 

 Neste momento ficou evidente que ouvir o aluno é tão importante quanto o aluno ouvir o professor. Um espaço de diálogo entre a Escola e o aluno, onde as ideias possam ser discutidas,  e de onde pode surgir um denominador comum, que com certeza é bom para a escola, bom para o aluno e bom para a sociedade. 

Em resumo, se obtem como  resultado desta pesquisa: _ o aluno que vem de um Ensino Fundamental ruim; _ a necessidade de abandonar a escola para trabalhar; _a falta de atratividade do Ensino Médio para o aluno. Para que haja uma solução, de fato, é preciso haver um enfrentamento em conjunto. “Não basta que a escola seja atrativa e que o aluno a valorize se ele não consegue aprender o que o professor ensina, ou precise trabalhar pelo próprio sustento ou da família.”(M.Soares, 2009) 

Numa abordagem ao principal indicador da evasão no Ensino Médio, o impacto do baixo nível de aprendizagem durante o Ensino Fundamental, em que as repetências, a defasagem que vai se acumulando, causando uma baixa autoestima, o desinteresse e por fim a desistência da escola, exige um enfrentamento da escola aliada á família no sentido de ajudar e acompanhar estes alunos, com dificuldade de aprendizagem, tanto dentro de sala de aula, como em casa. A defasagem idade/série significa que há uma diferença cognitiva e emocional de grande proporção que agrava cada vez mais o atraso do aluno.
Esse fator impacta de tal forma que o aluno que consegue ingressar no Ensino Médio, que tendo dificuldade de acompanhar os conteúdos das disciplinas tende a migrar para o supletivo e deste para a evasão é o próximo passo. 

Aulas de reforço, atividades extraclasse, projetos interventivos, atividades pedagógicas significativas, trabalho de autoestima, uso de tecnologias como a internet, vídeos... com funções pedagógicas, são algumas ferramentas que podem ser usadas como estratégias para resgatar a defasagem e evitar a repetência. 

A necessidade do aluno abandonar a escola para ingressar no mercado de trabalho nem sempre constitui uma necessidade real. E este fato acaba desencadeando uma mão de obra desqualificada. Uma conscientização por parte da escola aos jovens sobre a importância financeira de quem vai mais além na escola, com exemplos reais de pessoas do mesmo nível social que tiveram melhores condições de trabalho e salários, por terem concluído o Ensino Médio e até por terem chegado á Universidade; através de estatísticas, como as elaboradas pela Pesquisa Nacional por Amostras de Domicílio (PNAD), mostrando que estudar hoje, muda o futuro prá melhor. 

Diante desta análise conclue-se, que é preciso conhecer a realidade brasileira, as desigualdades sociais que influenciam a problemática da educação, para planejar e traçar estratégias para aproximar as famílias dos alunos á escola, com fins de melhorar o desempenho dos estudantes  e acompanhar os resultados. A escola por sua vez mais comprometida com os resultados e com mais autonomia em suas estratégias contando com recursos técnicos, formativos...  
Enfim, o conhecimento da realidade é que vai gerar as transformações necessárias para mudar de forma mais efetiva o quadro da evasão escolar.

Referências:
http://oglobo.globo.com/educacao/mat/2011/05/01/defasagem-idade-serie-atinge-metade-dos-alunos-provoca-abandono-situacao-no-ensino-medio-pior-924359691.asp
http://www.infoescola.com/educacao/evasao-escolar/
http://educarparacrescer.abril.com.br/
http://educacao.uol.com.br/ultnot/2010/09/17/brasil-tem-maior-taxa-de-abandono-escolar-do-mercosul.jhtm

Nenhum comentário:

Postar um comentário

. Não seja apenas um visitante. Deixe seu comentário. Este é um espaço de intercâmbio de conhecimentos Entre educadores, e não apenas de divulgação de informações e conteúdos PARA educadores