“Continuo buscando, re-procurando. Ensino porque busco, porque indaguei, porque indago e me indago. Pesquiso para conhecer o que ainda não conheço e comunicar e anunciar a novidade”.

Paulo Freire


segunda-feira, 20 de dezembro de 2010

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO PRECOCE – EDUCAÇÃO ESPECIAL *** COMO CHEGAR LÁ ?

PROGRAMA DE EDUCAÇÃO PRECOCE – EDUCAÇÃO ESPECIAL   -    COMO CHEGAR LÁ ? ep4
     Em espaços físicos adequados ou adaptados ás necessidades das crianças, com mobiliário e material pedagógico apropriado ao trabalho a ser desenvolvido, como salas para atendimentos individuais, em grupos, salas para bebês, salas de psicomotricidade,PSI para atendimento aos grupos de pais; em ambientes apropriados para atendimento de pais ou responsáveis, piscina, parquinho e área externa para atividades lúdicas e de educação física, a criança na faixa de 0 a 3 anos, encaminhada pela unidades de saúde local pública ou particular, um encaminhamento médico, cujo profissional fará o acompanhamento do trabalho do PEP durante todo o tempo do Programa.
O QUE O BEBÊ E VAI ENCONTRAR NA EDUCAÇÃO PRECOCE
      Acolhimento e escuta á criança e seus familiares; umMAE trabalho pedagógico específico ás necessidades de cada criança, apoio á relação dialógica e ás interações positivas mãe-criança, criança-criança, mãe-mãe (e/ou responsável nos laços parentais); valorização dos elementos psico-afetivos pela interação em brincadeiras e jogos sociais em grupos. Valorizando o brincar, a troca de experiências e aARE construção coletiva do conhecimento entre crianças e familiares, tudo isso e muito mais de acordo com as necessidades específicas, por uma equipe de profissionais composta por:
Um coordenador – que vai fazer o acolhimento, identificar a razão de a criança ter chegado ao Programa; fazer a exposição do funcionamento, dos objetivos, e entregar um termo de compromisso. Entrevista com a mãe com vistas ao conhecimento das informações referentes ao processo de desenvolvimento da criança em seus diferentes aspectos; posteriormente será o intermediário entre a criança e o acompanhamento médico e terapêutico, buscando apoio, se necessário (parcerias).
Professor pedagogo e Educador Físico – que EDFrealizarão uma avaliação inicial da criança e elaboração do parecer técnico-pedagógico, com o foco no seu desenvolvimento global e a elaboração de um planejamento individual semestral, bimestral e diário de ensino, contendo a síntese da avaliação e os objetivos gerais a serem alcançados pela criança.
Professores – a criança será atendida através de um planejamento a curto, médio e longo prazo, dentro de suas necessidades, através de estratégias adequadas, porEST professores que registrarão todas as observações, trabalho pedagógico, diário de classe e fichas semestrais.

Professor e Coordenador – Fará Estudo de Caso com a equipe da Precoce em caráter sistemático, semanal de dois horários com vistas á reavaliação das estratégias interventivas.
Coordenador, Professores, Equipe de Apoio Pedagógico
A criança ao completar o Programa, aos 3 anos, fará um Estudo de Caso e Encaminhamento da crianEQUIPEça para atendimento na Educação Infantil do Ensino Regular, ou Educação Infantil – Inclusão Social Inversa, ou no Centro de Ensino Especial: é a sua terminalidade.
As Formas de Atendimento
Os atendimentos individuais serão realizados 2 vezes por semana com duração de 45 minutos cada.
Crianças de 2 e 3 anos serão atendidas em grupos de 2 ou mais crianças, por 2 ou mais vezes por semana.
        Crianças com maior grau de comprometimento, de acordo com o Estudo de Caso e Avaliação, dGeverão ser agrupadas com acompanhamento exclusivo de um professor ou atendimento simultâneo do professor pedagogo e do professor educador físico, visando uma otimização do trabalho desenvolvido.
      dv  O atendimento em grupo, 4 vezes na semana poderá ser realizado somente no CEEDV, devido à alta necessidade das crianças cegas.
         O atendimento do Professor de Educação Física deverá seguir o Programa de Educação Física específico da EEDF2ducação Precoce, ás crianças á partir dos 6 meses de idade, através da hidroestimulação. Antes dos 6 meses somente com indicação médica, avaliação do professor, do Coordenador e avaliação funcional.
Os bebês de risco na idade de 0 a 3 com seus respectivos pais ou responsáveis para avaliação e orientação quanto ao seu desenvolvimento global, não necessitando neste período de intervenção sistemática. Esse atendimento será realizado por um profissional qualificado devido aos cuidados e a extrema especificidade desta faixa etária e simbiose mãe-bebê.

Atendimentos Especiais
Ecoterapia – método educacional terapêutico que utiliza o cavalo em uma abordagem interdisciplinar, buscando o desenvolvimento biopsicossocial em crianças ECcom necessidades especiais, executado por professores da Secretaria de Estado de Educação.
Estimulação Perceptiva – prática alternativa que utiliza o toque corporal como uma técnica que estimula, tranqüiliza e acalma e ao mesmo tempo possibilita uma consciência coral interagindo com sistemas importantes neuropsicológicos, executado por profissionais do Programa com conhecimento técnico específico comprovado. MASS




Orientação e Estimulação da Linguagem e da Fala: ações pedagógicas que estimulam o processo da fala com base no processo do desenvolvimento infantil, realizada pelos professores da Educação Precoce,
Informática – abordagem, pedagógica que viabiliza e instrumentaliza outras formas de linguagem dos conteúdosI pedagógicos propostos ao desenvolvimento da criança, viabilizado0 pelo professor do Programa.
        Toda essa equipe que atende as crianças do Programa de Educação Precoce é da Secretaria de Estado de Educação, que estejam qualificados, com cursos específicos na área da Educação Precoce. Profissionais comprometidos com o trabalho que exige alta habilidade na sua realização, com o perfil adequado ao atendimento ao portador de necessidades especiais, que realiza uma pedagogia afetiva, o que vem a se tornar a marca do sucesso, na Educação Especial, visível nos dados estatísticos de reabilitação e superação que alcançam.
      A atualização da equipe é realizada periodicamente através de cursos de capacitação, seminários, palestras, discussões de caso e estudos sistematizados oferecidos pela SEDF/DEE, instituições conveniadas ou comunidade.
       Busca-se a atuação transdisciplinar e interdisciplinar integrada da equipe multiprofissionalização, evitando a construção de uma visão fragmentada do desenvolvimento da criança.
SERVIÇO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO COMPLEMENTAR NA EDUCAÇÃO INFANTIL ep2

Sala de Apoio/Recursos
      Espaço físico adequado, localizado nas Escolas de Educação Infantil que adota a filosofia da Educação Infantil Inclusiva, oferecendo atendimento educacional especializado os alunos com necessidades educacionais especiais da própria escola. PROFE
      O atendimento em sala de apoio/recurso pode acontecer em turno contrário, individualmente ou em pequenos grupos. A intervenção pode acontecer na própria sala de aula, apoio ou em outros ambientes d escola que se mostrarem adequados ás atividades e propostas de intervenção.
      Atualmente, a Regional de Ensino de Planaltina-DF dispõe da Ecoterapia e do Atendimento Complementar, em horário inverso, não somente ás crianças que terminando o Programa de Educação Precoce e que estão na inclusão em outras escolas, como ás crianças que deixaram o Centro de Ensino Especial.
Fonte de Pesquisa:
-Orientação Pedagógica – Educação Precoce – Secretaria de Estado de Educação de Brasília – DF
NMP-Regional de Ensino de Planaltina-DF
Centro de Ensino Especial nº1 de Planaltina- DF

Um comentário:

  1. Parabéns pelas matérias excelentes!
    Tb copiei esta.

    Abraços!!!

    Michele :)

    ResponderExcluir

. Não seja apenas um visitante. Deixe seu comentário. Este é um espaço de intercâmbio de conhecimentos Entre educadores, e não apenas de divulgação de informações e conteúdos PARA educadores