“Continuo buscando, re-procurando. Ensino porque busco, porque indaguei, porque indago e me indago. Pesquiso para conhecer o que ainda não conheço e comunicar e anunciar a novidade”.

Paulo Freire


segunda-feira, 13 de dezembro de 2010

PISA: MELHORES SALÁRIOS Á PROFESSORES DÃO MAIS RESULTADOS

MUITO IMPORTANTE ESTE RESULTADO DA AVALIAÇÃO DO PISA, EM ANÁLISE, AO BAIXO CRESCIMENTO DA EDUCAÇÃO EM COMPARAÇÃO COM OS OUTROS PAÍSES DO  OCDE.

O PROFESSOR  BRASILEIRO RECLAMA DOS BAIXOS SALÁRIOS, ENTRE OUTRAS NECESSIDADES  PARA UM BOM DESEMPENHO E UM EXCELENTE RESULTADO NO EXERCÍCIO DE SEU TRABALHO NA EDUCAÇÃO, MAS É PRECISO QUE ISSO CHEGUE AO RECONHECIMENTO  INTERNACIONALMENTE, PARA QUE O BRASIL REVEJA SEUS CRITÉRIOS?

VEJAM O QUE DIVULGOU O PISA

 

Pisa: melhores salários a professores dão mais resultados que turmas menores

Rafael Targino

Em São Paulo

O Pisa (Programa Internacional de Avaliação de Estudantes) 2009, divulgado na semana passada pela OCDE (Organização para a Cooperação Econômica Europeia), chegou à conclusão, depois da análise dos resultados, que sistemas considerados de sucesso gastam muito dinheiro em educação e tendem a priorizar o salário docente à formação de classes menores.

De acordo com a pesquisa, o melhor desempenho dos estudantes está relacionado aos salários mais altos dos professores e não a turmas com menos alunos. Para a OCDE, os sistemas que fazem isso comprovam pesquisas que “afirmam que aumentar a qualidade do professor é uma rota mais efetiva para melhorar os resultados dos estudantes do que criar turmas menores”.

Recursos

Dentro dos países, afirma o Pisa, escolas com melhores recursos geralmente têm desempenho melhor por tenderem a ter mais estudantes “sócio-economicamente favorecidos”. Alguns locais, diz a pesquisa, têm grande relação entre os recursos e o ambiente demográfico e sócio-econômico da região onde as escolas se encontram.

“Se a maioria ou todas as escolas tiverem o mínimo de recursos necessários para permitir um ensino efetivo, recursos materiais adicionais podem fazer mínima diferença nos resultados”, diz o relatório.

E no Brasil?

Para Daniel Cara, coordenador geral da Campanha Nacional pelo Direito à Educação, também no Brasil o foco no professor é sempre a variável mais importante. “Mas só o foco no professor não vai surtir os efeitos necessários. Claro que o primeiro passo é esse. Investir em formação continuada. Só que esse passo não vai ser suficiente pra resolver o déficit educacional brasileiro”, afirma.

“O grande caminho agora é incentivar a renda das famílias. Quanto maior a renda, maior a escolaridade”, diz Cara.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

. Não seja apenas um visitante. Deixe seu comentário. Este é um espaço de intercâmbio de conhecimentos Entre educadores, e não apenas de divulgação de informações e conteúdos PARA educadores