“Continuo buscando, re-procurando. Ensino porque busco, porque indaguei, porque indago e me indago. Pesquiso para conhecer o que ainda não conheço e comunicar e anunciar a novidade”.

Paulo Freire


sábado, 2 de outubro de 2010

FUNDAMENTAÇÃO CIENTÍFICA - PSICOMOTRICIDADE E APRENDIZAGEM

          A psicomotricidade do ponto de vista científico sustentava suas teorias partindo do pressuposto de que as habilidades e capacidades motrizes se desenvolveriam de acordo com o processo de maturação.
         Piaget classifica os jogos numa ordem evolutiva. Tanto Piaget como Vygotski consideram o jogo fator importante no processo de desenvolvimento da criança, porém, para o primeiro, esse processo evolutivo está relacionado com a maturação e para o segundo o jogo está ligado ao surgimento da capacidade de simbolizar, ou seja, representar papéis.
        Tratando-se do desenvolvimento infantil, Wallon foi o primeiro a relacionar o tônus muscular e o desenvolvimento da criança. Ao chamar a atenção para questões como a relação existente entre a função tónica, os sentimentos e a evolução do movimento, influenciou gerações de psicomotricistas, que buscavam através da via corporal, melhorar a criança de forma global e quanto maior a variedade de estímulos do meio, maior será o desenvolvimento do indivíduo.
      Entre a aprendizagem e o desenvolvimento, há uma estreita relação que está ligada e inter-relacionada entre si, desde o nascimento, muito antes da idade escolar.
       É, portanto, importante ressaltar a teoria de Vygotsky de que a criança ao chegar à escola traz consigo uma “bagagem de conhecimentos”, adquirida em suas experiências vividas no contexto ao qual se insere.
         O jogo é simbólico e tem conteúdo social.
         Com relação ao desenvolvimento nas diferentes idades, acredita que a idade cronológica não pode servir de critério seguro para se estabelecer o nível real de desenvolvimento. Este se dá a partir da relação entre a realização individual e o que a criança pode fazer com a ajuda de outro, isto é, a relação entre desenvolvimento real e potencial. Para Negrine deve se levar em conta também esse último, pois a criança pode necessitar ajuda inicialmente e em seguida passar para execução solitária, agregando o movimento ao seu vocabulário psicomotriz.

Fonte de Pesquisa

------Coste, Jean Claude. A psicomotricidade. Rio de Janeiro: Zahar Editores, 1981.
Fonseca, Vitor da. Psicomotricidade. 4 ed. São Paulo: Martins Fontes, 1
------- Introdução às dificuldades de aprendizagem. 2 ed. Porto Alegre: Artes Médicas, 1995.
------- & MENDES, N. Escola, escola, quem és tu? Porto Alegre: Artes Médicas, 1987.
-------Freire, João Batista. Educação de corpo inteiro: teoria e prática da educação física. São Paulo: Editora Scipione, 1991.
------Le Boulch Jean. A educação pelo movimento: a psicocinética na idade escolar. Porto Alegre: Artes Médicas, 198
------- O desenvolvimento psicomotor: do nascimento até 6 anos. Porto Alegre: Artes Médicas, 1982.
-------Major, S. & WALSH, M. Crianças com dificuldades de aprendizado: jogos e atividades. São Paulo: Editora Manole, 1987.
-------Masson, Suzanne. Reeducação e terapia dinâmica. São Paulo: Editora Manole, 1988.
------Meur, A. & STAES, L. Psicomotricidade: Educação e Reeducação. São Paulo: Ed. Manole, 1984.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

. Não seja apenas um visitante. Deixe seu comentário. Este é um espaço de intercâmbio de conhecimentos Entre educadores, e não apenas de divulgação de informações e conteúdos PARA educadores